Categorias

Artigos Recentes

É O TEU PRIMEIRO CULTIVO EM TERRA?

É O TEU PRIMEIRO CULTIVO EM TERRA?

É o teu primeiro cultivo e não sabes bem o que precisas? Neste curto artigo explicamos-te como escolher o equipamento essencial mais adequado para ti!

A TERRA

Quando se opta pelo cultivo tradicional em terra, o mais importante é sem dúvida a própria terra. Grande parte do nosso sucesso dependerá se escolhermos uma terra adequada ao nosso método de cultivo, plantas, e nível de experiência pessoal como cultivador.

Nesta secção encontras uma série de substratos desenvolvidos especificamente para as nossas plantas, com um nível de qualidade muito superior aos substratos que se podem encontrar, por exemplo, nas grandes superfícies.
Embora o preço destes últimos possa parecer muito apelativo, de maneira nenhuma poderemos esperar ter os mesmos resultados do que se usarmos um substrato específico. Voltamos a repetir: quando se cultiva em terra, o mais importante é a própria terra!

Na secção referida existem terras pouco ou nada fertilizadas (as chamadas Light-Mix), terras mediamente fertilizadas (normais), e terras muito fertilizadas (as chamadas All-Mix):

- As terras pouco fertilizadas (Light-Mix BioBizzJaneco Light-Mix AtamiTerra Professional Canna) são excelentes para germinação ou enraizamento, mas necessitam de fertilização líquida constante logo a partir de uma fase inicial, tornando-se terras mais adequadas a cultivadores com experiência em programas de fertilização contínuos, ou para novos cultivadores com interesse em controlar a nutrição das plantas desde uma fase mais inicial. São terras igualmente excelentes para adicionar fertilizantes sólidos (como o guano de morcego ou o húmus de minhoca), de forma a diminuirmos a necessidade de fertilização líquida.

- As terras mediamente fertilizadas (Terra Professional Plus CannaBio Terra Plus CannaBio-Grow Mix Atami), são substratos igualmente bons para germinação ou enraizamento, e uma vez que já contêm todos os nutrientes necessários a um correcto desenvolvimento inicial das plantas, têm a vantagem de não ser necessário começar a fertilizar logo de início, podendo esperar 2/3 semanas enquanto as plantas se alimentam unicamente dos nutrientes do substrato. Após este período, podemos começar a fertilizar de forma líquida, começando sempre com uma dose muito baixa de fertilizantes (normalmente 1/3 do recomendado pelo fabricante), e ir aumentando gradualmente.

- As terras muito fertilizadas (All-Mix BioBizzBat-Mix PlagronRoyal-Mix Plagron), são terras que já contêm uma elevada percentagem de nutrientes pelo que se tornam terras mais adequadas para plantas mais desenvolvidas. São denominadas muitas vezes de "terras de floração". 
Pelo facto de serem fortemente fertilizadas, estas terras não são nada adequadas para as fases iniciais das plantas (germinação, enraizamento e primeiras 2/3 semanas de crescimento). Nestas fases tão sensíveis das plantas, a elevada percentagem de nutrientes das "All-Mix" podem ser o suficiente para "queimar" ou sobre-fertilizar as plantas, podendo resultar num fraco e lento desenvolvimento - que trará problemas em fases mais adiantadas - ou mesmo na estagnação do crescimento. 

Existem ainda terras específicas para a germinação e enraizamento, como a Canna Seed Mix. Esta terra, levemente nutrida, foi desenvolvida especificamente para germinarmos as nossas sementes ou para o enraizamento directo de clones. Após esta primeira fase, podemos fazer o transplante para a terra que escolhemos para o crescimento e floração das nossas plantas

Urbicult, de uma forma geral, aconselha o uso de terras mediamente fertilizadas, devido ao conforto e controlo que proporcionam ao cultivador, seja ele muito ou pouco experiente. Destas terras, sem dúvida que a Terra Professional Plus da Canna se destaca das demais, quer pela qualidade e equilíbrio dos seus nutrientes, quer pela estrutura que os seus componentes proporcionam, tornando-a sem dúvida a terra mais equilibrada e moderna do mercado.

OS VASOS

O tamanho do vaso escolhido em cada fase é fundamental para um correcto desenvolvimento do sistema radicular.
Inicialmente, a após a germinação ou enraizamento, deveremos usar um vaso pequeno - inferior a 1 litro - até que a planta atinja aproximadamente 15cm, normalmente aos 10/15 dias de crescimento. Nesta altura as raízes deverão estar a sair por debaixo do vaso, e deveremos proceder ao 1º transplante. 
Podemos optar por fazer já o transplante para o vaso final, mas é aconselhado fazer pelo menos um transplante intermédio. Aconselhamos a escolha de um vaso entre 1.5 e 3.5 litros para o 1º transplante. Após mais 2 semanas (aprox.) nestes vasos, poderemos fazer o transplante para o vaso final, que poderá ter desde 7 litros ao tamanho que nós quisermos, dependendo do tempo total de vegetativo/espécie da planta utilizada. De uma forma geral, vasos de 7 litros são adequados para vegetativos até 2 semanas, vasos de 11 litros adequam-se a vegetativos de duração aproximada de 1 mês. Para vegetativos de duração superior, aconselham-se vasos com o mínimo de 15 litros de capacidade.

Uma excelente solução são os vasos em material geotextil, como por exemplo os Tex Pots, que devido às suas características permitem fazer cultivos em vasos mais pequenos do que o habitual, gastando menos substrato. A Urbicult recomenda vivamente este tipo de recipiente para cultivos de alto rendimento.

INICIAÇÃO À FERTILIZAÇÃO E CONTROLO DO PH

A nutrição das nossas plantas e o pH da água de rega são duas características indissociáveis e com que teremos que ter o máximo de atenção.

O PH ESTÁ SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR!
Temos que imaginar o pH da nossa água de rega como uma janela que permite ou não a absorção dos nutrientes pelas nossas plantas. De uma forma geral, águas mais ácidas (pH de 5.2 a 6.0), favorecem a absorção de macronutrientes como o nitrogénio, fundamental para um correcto desenvolvimento vegetativo das nossas plantas. Águas ligeiramente menos ácidas (pH de 6.0 a 6.5) favorecem a absorção de macronutrientes como o fósforo e o potássio, fundamentais para uma floração com sucesso. Ou seja, o pH da água de rega deverá estar sempre entre os 5.2 e os 6.5. Se estiver acima ou abaixo destes valores, poderá resultar em que as nossas planta não tenham acesso aos nutrientes que necessitam demonstrando sinais de carência, mesmo que estes nutrientes estejam disponíveis na água de rega. 

Nos cultivos em terra, de uma forma geral, se escolhermos trabalhar com um pH de 6.0 do início ao fim do cultivo, conseguiremos que as plantas tenham sempre acesso aos nutrientes de que necessitam. 

De forma a fazer a correcta medição do pH, deveremos usar um medidor de pH (de gotas ou digital), e posteriormente, se necessário, fazer a correcção usando um pH Down (para baixar o pH), ou um pH Up (para subir o pH).

Importante: quase todos os nutrientes e suplementos que usamos alteram o pH, pelo que a medição e correcção do pH deverá ser feita apenas após a adição de todos os produtos desejados na água de rega.

A FERTILIZAÇÂO
Idealmente, deveremos sempre deixar que sejam as plantas a "pedir" alimento. Desta forma nunca corremos o risco de sobre-fertilizar as plantas, tendo efeitos muito adversos a um correcto desenvolvimento da planta.

O tipo de fertilização que faremos, deverá depender do tipo de terra escolhido, como explicado anteriormente. Apenas deveremos começar a juntar nutrientes à água de rega, a partir do momento que consideremos que o próprio substrato já não tem capacidade de oferecer todos os nutrientes necessários. Normalmente a planta demonstra um amarelecimento lento, de baixo para cima, ou um verde muito claro, como sinal de falta de nitrogénio. Nesta altura, se ainda não começámos, deveremos iniciar a fertilização com um nutriente adequado para a fase de crescimento (Canna Terra VegaBio Vega BioCannaBioGrow BiobizzFloranova Grow GHE, entre muitos outros). Se pelo contrário a planta apresentar um verde demasiado escuro, deveremos reduzir ou eliminar o fertilizante da água de rega. Um verde demasiado escuro e/ou as folhas apresentarem uma aparência de "plástico", significa quase sempre excesso de nutrientes. Neste caso deveremos regar abundantemente com água pura (com o pH corrigido), e apenas retomar a fertilização quando as plantas começarem a apresentar uma coloração "normal". 

A partir do momento que as nossas plantas começem a florir, deveremos alterar a alimentação base para um fertilizante adequado para a floração (Canna Terra FloresBio Flores BioCannaBioBloom BiobizzFloranova Bloom, entre muitos outros). Outra opção que temos é usar um fertilizante de formula única para crescimento e floração, como o Hy-Pro Terra, e não teremos de nos preocupar quando temos que alterar a alimentação. É igualmente uma excelente solução para plantas automáticas ou autoflorescentes.

Uma boa opção que a Urbicult sugere, é um dos vários Kits de Nutrientes que temos disponíveis a um preço promocional. Existem diversas soluções, desde as mais simples às mais profissionais, e poderás escolher o melhor para ti!

Esperamos que este simples artigo tenha eliminado a maior parte das tuas dúvidas. No entanto, se precisares de alguma informação adicional ou de alguma explicação mais detalhada, não hesites em entrar em contacto connosco!